ON Business Office – Escritórios Virtuais em Brasília DF

Author: Suporte WD

COWORKING: UMA NOVA TENDÊNCIA DE RELACIONAMENTO ENTRE PEQUENAS EMPRESAS

Se você ainda não ouvir falar de coworking saiba que essa é uma tendência que veio para ficar e está revolucionando a forma como pequenas empresas, profissionais freelancers e autônomos se relacionam entre si, com fornecedores e clientes. E João Pessoa sedia desde esta quinta-feira (08) o Primeiro Congresso da Associação Nacional de Coworking e Escritórios Virtuais (ANCEV), uma oportunidade para mostrar a evolução do segmento no país e na Paraíba.

Na Paraíba existem 15 escritórios, a maioria deles na capital, e no Nordeste são 127. No Brasil são aproximadamente mil escritórios compartilhados legalizados e segundo a ANCEV o setor registra um crescimento médio de 20% ao ano. Estimativas mostram que em 2015 o faturamento chegou aos R$ 540 milhões. No Brasil, apenas Amapá, Rondônia, Roraima e Tocantins não possuem coworking. As regiões com maior número de coworkings são Sul (155) e Sudeste (359).Para muitos profissionais autônomos e pequenos empresários ter um escritório não é tarefa simples e barata e foi no vácuo dessa necessidade que surgiram os escritórios compartilhados. Basicamente trata-se do aluguel de uma mesa de trabalho com direito a internet de alta velocidade, café e água – itens básicos de um escritório. A diferença é que no mesmo espaço existem outras pessoas trabalhando em diferentes projetos e objetivos.

Congresso

Empresários de escritórios compartilhados de todo o país estão desde ontem em João Pessoa para trocar experiências, unir conhecimentos e desfrutar de lazer. Entre as atrações do primeiro congresso estão Carlos Gonçalves, CEO do Ávila Business Center de Lisboa, Portugal, autor do livro “Out of the Office”. Segundo ele, esta é “uma oportunidade única de partilha de experiências sobre escritório do futuro entre Brasil, Portugal e o mundo”.

Para o presidente da ANCEV, Ernísio Martines Dias, proprietário de 4 escritórios compartilhados e com experiência de 20 anos no mercado, o evento que acontece em João Pessoa funcionará como piloto para outros. “Se tornará um marco em nossa trajetória, para que façamos outros em uma grande sequência, melhorando a cada edição, mas mantendo sempre o foco de atender aos anseios dos nossos associados”, disse.

O congresso é aberto para não associados e empreendedores que querem conhecer os Escritórios Compartilhados e aproveitar a oportunidade de trocar experiências com proprietários e representantes de Escritórios Compartilhados de todo o Brasil, Portugal e EUA. Para ver a programação completa é só acessar http://www.ancev.org.br/congresso-2016/ ou enviar e-mail para secretaria@ancev.org.br ou no telefone +55 (11) 5087-8500. O evento encerra domingo (11) e está acontecendo no hotel Nord Luxxor Skyler, na orla do Cabo Branco.

Por que contratar um escritório virtual

Empresários gastam até 70% a menos para dispor de espaço não exclusivo e contar com endereço comercial e atendimento personalizado

Está ganhando força uma modalidade de escritório que atende empresários que não possuem recursos para manter um espaço próprio. São os chamados escritórios virtuais e de coworking. Eles não são exclusivos de uma única empresa, mas o empresário pode alugar o espaço – geralmente uma sala comercial, que dispõe de mesas de reuniões, cadeiras, atendente e muitas vezes até computador – por algumas horas da semana ou mês para receber clientes. Quem não tem interesse no espaço físico tem a opção de utilizar o escritório virtual apenas para o recebimento de correspondências ou para registro fiscal. Há empresas que também oferecem atendimento telefônico personalizado. Os serviços chegam a ser até 70% mais baratos que os gastos com um escritório convencional – onde é necessário pagar condomínio, contas de água e luz, reformas, entre outros. “É um negócio que oferece menos riscos”, diz Otávio Cavalcanti, diretor regional de São Paulo da Regus, empresa que possui duas mil unidades em 100 países e cujo número de clientes cresceu 33% no último ano apenas em São Paulo. Apesar das facilidades do serviço, é preciso ficar atento aos detalhes do contrato, principalmente no que diz respeito ao seu cancelamento. “É importante que não seja cobrada multa de rescisão”, alerta Ernisio Martines Dias, presidente da Associação Nacional de Coworking e Escritórios Virtuais (Ancev) e diretor da VBA Business Center.

grafico.jpg